Arquivo

Archive for the ‘Educação a Distância’ Category

Inclusão Social com educação de qualidade!

 

Ao ler a matéria abaixo, refleti muito sobre a qualidade da educação no Brasil e percebi que em qualquer modalidade o ensino deve ser criterioso e promover aprendizado do aluno. O educando precisa concluir o curso sendo capaz de exercer sua profissão.Penso que a qualidade necessária não é só para os cursos de EAD, pois tem muitos cursos presenciais que deveriam ser fechados!

O que precisamos,  “consenso?”, é de qualidade na educação brasileira, em todos os níveis!

Dê uma lida, no trecho abaixo, (texto completo disponível em: http://www.educacaoadistancia.blog.br/ensino-a-distancia-cresce-rapido-com-qualidade-questionada/comment-page-1/#comment-21226)

 “é preciso investir na interação e garantir inclusão digital e social. “Ainda estamos nos apropriando das tecnologias para garantir a inclusão digital. Não chegamos ainda na inclusão social, para fazer com que o sujeito que não teria acesso algum a tecnologia e ensino tenha essa oportunidade”

Inclusão social, só irá acontecer com EDUCAÇÃO  DE QUALIDADE.

 

 

Anúncios

Inclusão Digital

A Evolução da EAD no Brasil

Ao ler o texto- A evolução da EAD no Brasil- fiquei bem contente! O autor, “desconhecido pra mim”, disse exatamente o que penso.

Percebo que a evolução educacional ficou em nível tecnológico. É comum encontrarmos aulas em EAD com ‘cara’ de presencial, não há uma metodologia adequada nem mesmo no livro-texto. O professor precisa realizar pesquisas, conversar com os alunos, estudar, enfim, precisamos mudar a forma de ministrar as aulas (até mesmo nas aulas presenciais) e pra isso entendo que precisamos de mais pesquisas sobre o processo de ensino/aprendizado de adultos, especialmente em EAD.

Outro assunto recorrente em EAD é o perfil do aluno. Lembro-me que o primeiro curso a distância que tentei fazer foi um desastres, era um curso de pós graduação, gratuito pela UFMS, pois é, perdi a pós, e algumas oportunidades de emprego! Achei que a culpa era minha, que eu não tinha o perfil pra ser aluna em EAD, ficou fácil me culpar e por isso desisti do curso.

Depois resolvi fazer um curso de extensão por uma empresa importante no Brasil. Desta vez eu estava totalmente treinada, não poderia perder o curso, assisti o vídeo disponível no ambiente, li o material, as apostilas e tudo que deveria fazer eu fiz. Garanto! Mas isso não quer dizer que aprendi, então fico aqui pensando, será que o problema da EAD está apenas no perfil do aluno?

Ainda me arrependo por ter feito matricula no tal curso, foram 180 reais que poderiam ser investidos em ótimos livros! Mas não, pois foram gastos em curso que não acrescentou muita coisa em minha vida profissional, a não ser por este post e pela experiência.

Alguns colegas de tutoria afirmam que a EAD não é para qualquer aluno, insistem que o aluno deve ter um perfil específico e coisas assim, mas se a Universidade Aberta pretende democratizar o acesso a universidade e pra isso oferece cursos em EAD para alunos que não tiveram acesso, será que esses alunos terão condições de cursar um curso em EAD? Será que sabemos fazer Educação a Distância?

 Leia o texto : http://www.educacaoadistancia.blog.br/a-evolucao-da-ead-no-brasil/comment-page-1/#comment-19710

Pra início de conversa…

Como professora, tanto da Educação Básica como do Ensino Superior, faço uso da internet como ferramenta. Porém como aluna esse uso é mais intenso, estou cursando outra graduação em História, além da pós é claro, nas duas oportunidades tenho experimentado o fantástico acesso as informações do mundo, por meio da rede!
Atualmente minha relação com a ferramenta é mais intensa do que na minha primeira graduação, hoje consulto podcast, sites, blogs, vídeos, comunidades, imagens, textos, documentos, enfim, sempre que preciso tirar dúvidas, faço sem muitos problemas.
Essa é mudança significativa, pois muda o conceito de tempo e espaço, sem a internet, a pesquisa em outros textos torna-se limitada ao horário de funcionamento e ao local onde. Mas, isso é MUITO diferente, pois se quisermos pesquisar podemos fazer a qualquer hora. Só precisamos ter cuidado, pois nem sempre essas informações são confiáveis, além disso, precisamos admitir que nem tudo é um mar de rosas, pois o acesso ainda é restrito e qualidade não é tão boa assim.
Falando disso, me ocorre outra dificuldade no uso da internet: a linguagem. Sabemos que uma pessoa imigrante no mundo digital irá encontrar problemas ao tentar decifrar essa linguagem, e para sanar é necessário ser um desbravador! Ao superar o medo e a dificuldade inicial o imigrante será incluído e se sentirá pertencente a esse mundo.